You are here

Windows XP volta a ganhar market share em junho

A proliferação de pragas virtuais e o lançamento de atualizações para o Windows XP, mesmo após o fim do suporte pela Microsoft, levou a mais um dado curioso. Ao longo do mês de junho de 2017, o sistema operacional ganhou uma fatia de 1,3% do mercado, isso mais de três anos depois de ter sido abandonado pela companhia que o lançou em 2001.

O número inusitado, entretanto, não tem a ver com novas instalações. Os dados da Net Market Share, uma consultoria de mercado que divulga mensalmente os números de utilização de sistemas operacionais, levam em conta o total de acessos à internet e sites mais populares feitos a partir de PCs de todo o mundo. A ascensão do Windows XP, se é que pode ser chamada assim, tem a ver com o fato de que computadores desconectados ou desligados há tempos voltaram a ser ativados para download dos updates de segurança.

Essa ação foi suficiente para reverter um período de queda lenta, que já se estendia ao longo dos últimos dois anos. Em janeiro, o market share do Windows XP era de 9,17%, enquanto em maio esse total fechou em 5,66%. Agora, entretanto, ele voltou a subir, parando na marca dos 6,94%.

O total foi suficiente para fazer com que a plataforma, inclusive, voltasse a ser a terceira mais popular da Microsoft. Com o crescimento, a base de usuários do XP ultrapassa o Windows 8.1, ficando atrás apenas das edições 10, na vice-liderança, e 7, a mais popular de todas.

Pedra no sapato

Essa é uma pedra no sapato da Microsoft, que vê máquinas obsoletas funcionando em diversos setores, principalmente no mercado corporativo. A situação se provou ainda mais real com a proliferação do WannaCrypt, ransomware que infectou milhares de máquinas em todo o mundo e teve o Windows XP como uma de suas principais portas de entrada, justamente por ele ainda estar presente em diversos setores empresariais ao redor do mundo.

O fim do suporte à versão, que não recebia mais atualizações de segurança há anos, não assustou os usuários, que permanecem com o sistema instalado. Foi justamente essa grande base de usuários e a permanência do Windows XP entre as versões mais usadas do sistema operacional que levou a companhia a entregar uma atualização de emergência para uma plataforma com mais de 16 anos de idade, como forma de proteger sua ainda significativa base de utilizadores.

Mesmo nos segmentos superiores, porém, há movimento. O Windows 7 inicia um novo movimento de queda, mantendo sua tendência de oscilação ao longo do ano. Ele ainda é o mais popular do mercado, com 49,04% da base total de usuários, um índice que vem se mantendo ao longo dos meses, apesar de em janeiro esse número ter sido de 47,2%.

A teoria mais atual seria a de que os utilizadores da plataforma estariam realizando a atualização para o Windows 10, o que pode ser verdade, mas não com o ritmo desejado pela Microsoft. A versão mais recente do sistema operacional continua seu movimento de crescimento pequeno, mas contínuo, tendo em junho um market share de 26,8%. Em janeiro, esse total era de 25,3%.

Nos números somados, o Windows ainda é o líder absoluto do mercado, estando presente em 91,5% dos computadores. Esse número, entretanto, caiu ligeiramente na medida em que o Linux ganhou certa participação, fechando junho na casa dos 2,36%. Houve redução também na base do macOS, que, ao final do primeiro semestre, acumulava 3,49% do total de usuários de computadores em todo o mundo.

Fonte: Netmarketshare

Source

Related posts

Leave a Comment