You are here

Teste semelhante ao da diabetes pode determinar sexo do bebê, aponta estudo

 

Teste é semelhante ao feito para identificar a diabetes
(Foto: Divulgação)

Mamães à espera de um bebê, em breve, poderão descobrir o sexo da criança no primeiro trimestre da gravidez, com uma simples picadinha no dedo. Uma pesquisa brasileira publicada no “Prenatal Diagnostics” aponta que um teste simples com sangue de vasos capilares – semelhante ao feito para monitorar a diabetes, pode ajudar a identificar se o bebê é menino ou menina. 

 

O teste, conforme a pesquisa, é feito por meio de uma pequena quantidade de sangue de vasos capilares coletada pelo dedo. Por meio dele é possível identificar a presença do cromossomo Y, que determina o sexo masculino na corrente sanguínea materna. A presença deste cromossomo indica que o bebê é um menina e sua ausência, uma menina.

Hoje, exames de sangue mais complexos podem ser feitos nesse período para identificação do sexo do feto. Geralmente, contudo, a maioria das famílias só vão descobrir se o bebê é menino ou menina após os três primeiros meses, com a observação por meio do ultrassom. 

O novo teste, conduzido pelo pesquisador Gustavo Barcelos Barra, do laboratório Sabin, em Brasília, foi realizado com 101 voluntárias. O período médio de gestação foi de 8 a 20 semanas. 

Antes do exame, as participantes foram divididas em três grupos. O objetivo era identificar o melhor método de assepsia durante o exame. Entre as voluntárias, 27 usaram álcool, 39 aplicaram hipoclorito de sódio duas vezes e 35 borrifaram o composto apenas uma vez.

Depois, foi retirada uma pequena quantidade de sangue do dedo de cada uma das partipantes. Por fim, as células foram centrifugadas para a extração do DNA.

Os resultados do teste foram comparados com outros dois métodos: a retirada de sangue venoso (por meio de veias) e a observação após o nascimento. E o que se concluiu foi que o exame com picada no dedo foi capaz de acertar o sexo do bebê em 100% das vezes no grupo que usou hipoclorito de sódio. Já no grupo que usou álcool como assepsia para o dedo, foram identificados 5 falsos-positivos (identificaram que era menino, quando na verdade era menina).

A partir dos resultados assim, pesquisadores estabeleceram que é possível encontrar o cromossomo Y no sangue capilar (com a picada do dedo, por exemplo). Como os resultados demonstraram, o melhor método para assepsia seria o hipoclorito de sódio.

Source

Related posts