You are here

Rainha de bateria da Tatuapé comemora bicampeonato e confirma posto em 2019: ‘Vão ter que me aturar’, diz | Carnaval 2018 em São Paulo

Andréa Capitulino, 39 anos, a rainha bicampeã da Acadêmicos do Tatuapé, acordou rouca na manhã desta quarta-feira (14). Ela acompanhou a apuração do Carnaval 2018 da quadra da escola na tarde de terça (13), e a festa adentrou a noite.

“Estou até sem voz. Acordar bicampeã é bom demais! Sofri ponto a ponto, assistindo da quadra. Na nota final a quadra toda veio abaixo. Foi uma energia única”, conta ela, que vai usar o dia para relaxar, se arrumar no salão e depois dar entrevistas na quadra.

Andréa contou ao G1 que segue como rainha da Tatuapé e está confirmada no cargo no ano que vem. “Estamos aí e vão ter que me aturar! (risos) Agora vamos buscar o tricampeonato. Quero ficar na escola até a Velha Guarda. A energia da escola é incrível, é mágica”, diz ela, que sentiu preconceito no início por ser uma rainha branca.

“Preconceito existe, sim, mas é uma coisa tão feia. A diversidade está aí para mostrar isso. Olha o Pablo Vittar e a Jojo Toddynho na música para mostrar isso! E olha a Tatuapé no samba com uma rainha branca para provar que preconceito já era. O brasileiro é uma miscigenação de raças, então não tem isso de samba ser só de mulata. O samba tem todas as cores. E a escola está aí para mostrar que pode ter rainha branca de alma negra, porque por baixo da pele não tem cor, tem só emoção”.

Andréa está na escola desde o ano passado e já estreou como campeã. “Sou muito pé quente, né? Os deuses do samba estão aqui. Estou em êxtase! A palavra é gratidão a São José do Ribamar (santo de grande devoção do povo do Maranhão, estado homenageado pela agremiação este ano). Vou passar o dia dando entrevistas e usufruindo dessa vitória. Não posso deixar de agradecer a minha comunidade, presidente, vice, a minha bateria, diretores, harmonia e todo mundo que fez parte desse espetáculo a céu aberto. Estava todo mundo ali dando o seu melhor”, diz Andréa.

A rainha de bateria diz que já esperava ser campeã de novo. “Nos nossos ensaios técnicos já parecia o desfile oficial, eu já me emocionava. Com respeito a outras escolas que estavam todas lindas, mas a gente já estava ali para se sagrar bicampeã. Eu já sentia isso pela gana da comunidade. São 64 anos de história”, diz ela.

Source

Related posts