You are here

‘Quadrilhão do MDB’: 42 testemunhas devem ser ouvidas em inquérito

O juiz da 12ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, Marcus Vinicius Reis, atendeu a um pedido do Ministério Público Federal (MPF) e autorizou os depoimentos de 42 pessoas no processo em que amigos do presidente da República, Michel Temer, tornaram-se réus. O grupo é acusado de integrar uma organização criminosa. A maioria das testemunhas é formada por delatores – 36 são colaboradores da Operação Lava Jato. Eles serão ouvidos no processo do chamado “quadrilhão do MDB”.

Entre os acusados nessa ação, estão: os ex-presidentes da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves; o ex-ministro Geddel Vieira Lima; o ex-assessor especial da Presidência Rodrigo da Rocha Loures; e o coronel aposentado da Polícia Militar João Batista Lima Filho, amigo do presidente Michel Temer.

O caso foi desmembrado do processo que tramitava no Supremo Tribunal Federal (STF) e enviado para a primeira instância após a Câmara dos Deputados negar o prosseguimento da denúncia em relação ao presidente Michel Temer.

Na semana passada, o magistrado brasiliense aceitou a acusação e o aditamento feito pela Procuradoria da República no Distrito Federal para a inclusão de José Yunes, ex-assessor de Michel Temer, do amigo do presidente, o coronel João Baptista Lima Filho, e de três operadores ligados ao ex-deputado Eduardo Cunha.

Colaboradores

As 42 testemunhas a serem ouvidas são as mesmas indicadas pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot na denúncia apresentada à Corte em setembro de 2017.

A maioria das testemunhas é colaboradora da Justiça. Entre elas, estão o doleiro Alberto Youssef, os empresários Emílio e Marcelo Odebrecht, e os ex-executivos da empreiteira baiana Claúdio Mello Filho, Alexandrino Alencar, Benedicto Júnior e Pedro Novis. Os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Eduardo Costa Musa também serão convocados a falar. Outro nome da lista é o ex-diretor de Relações Institucionais da Hypermarcas Nelson Mello.

 

 

Source

Related posts