You are here

Produção de veículos no Brasil cresce 23% no 1º semestre | Auto Esporte

Quase um terço da produção nacional foi enviada para outros países, com alta de 57,7% nas exportações e um recorde histórico para os primeiros 6 meses do ano.

Produção de veículos volta a crescer no Brasil (Foto: Divulgação)Produção de veículos volta a crescer no Brasil (Foto: Divulgação)

Produção de veículos volta a crescer no Brasil (Foto: Divulgação)

A produção de veículos no Brasil subiu 23% no 1º semestre do ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, afirmou nesta quinta-feira (6) a associação das montadoras (Anfavea). O resultado positivo foi puxado por um recorde nas exportações e fez as fabricantes elevarem as estimativas para 2017.

Nos 6 primeiros meses do ano, foram feitos 1,26 milhão de carros, comerciais leves (picapes e furgões), caminhões e ônibus, contra 1,02 milhão no mesmo período de 2016. O acumulado no ano é o melhor registro desde 2015.

O avanço ocorreu em todos os segmentos, mas foi puxado por uma alta de 23% em carros leves, picapes e utilitários. O segmento de caminhões cresceu 15%, enquanto o de ônibus registrou alta de 7,9% no período.

Embora as vendas no país tenham mostrado leve melhora, com mais 3,65% no semestre, as montadoras instaladas no país estão aproveitando o momento para elevar as exportações, que cresceram 57,7%.

“É o melhor acumulado em exportações da história. E também esperamos o restante do ano bastante forte”, afirmou o presidente da Anfavea, Antonio Megale.

Foram 372.563 unidades enviadas para fora do país, entre janeiro e junho, enquanto no mesmo período do ano passado foram 236.941 veículos. O volume exportado representa 29% da produção total no Brasil.

“Em relação aos valores de exportação, estamos apenas atrás de 2011 e 2013”, explicou Megale.

Os números do primeiro semestre fizeram a Anfavea rever as projeções para 2017. A estimativa de produção passou de 2,41 milhões para 2,61 milhões de unidades, o que indica uma alta 21,5% em relação a 2016. Antes a expectativa era de alta de 11,9%.

A previsão para as exportações saltou de crescimento de 7,2% para 35,6%. A entidade previa exportar 558 mil unidades no ano, mas o número foi atualizado para 705 mil veículos.

“É um crescimento importante puxado principalmente pelas exportações”, disse Megale.

A estimativa para o volume de veículos vendidos no Brasil foi mantida em 2,067 milhão, com alta de 4% sobre 2016. “Nós vamos rever a previsão de licenciamentos, mas ainda não temos elementos para precisar. É prudente aguardar, mas vamos dar um passo para a frente”, afirmou Megale.

 (Foto: Arte/G1) (Foto: Arte/G1)

Apenas em junho, o setor produziu 212.281 unidades, o que representa uma queda de 15% em relação ao número de maio, mas um avanço de 15% sobre o registrado em junho do ano passado.

De acordo com o presidente da Anfavea, a queda de produção entre maio e junho ocorreu devido a um dia útil a menos e também por processos internos em 3 montadoras. “Duas estavam em férias coletivas e uma está reestruturando a linha para novos produtos”, disse Megale.

Na quarta-feira, a Volkswagen anunciou a mudança da linha do Gol para Taubaté, com objetivo de abrir espaço para os novos Polo e Virtus em São Bernardo do Campo (SP).

Volkswagen em Taubaté  (Foto: Simone Gonçalves/G1)Volkswagen em Taubaté  (Foto: Simone Gonçalves/G1)

Volkswagen em Taubaté (Foto: Simone Gonçalves/G1)

No último ano, 6,4 mil vagas de trabalho foram fechadas nas montadoras instaladas no país. Com relação a 2014, o setor reduziu em quase 30 mil o número de empregados diretos, de 151,4 mil para 121,6 mil.

Além disso, 12.542 trabalhadores estão com alguma restrição na jornada, sendo 2.788 com os contratos suspensos (lay-off) e 9.754 no chamado Programa Seguro-Emprego (PSE), que reduz a carga horária e os salários para evitar dispensas.

Source

Related posts

Leave a Comment