You are here

PIB vai crescer menos de 0,5% em 2017, diz Meirelles | Economia

Ministro disse que a economia brasileira irá crescer no ano menos do que o previsto; revisão oficial eve acontecer nas próximas semanas.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira (28) que a economia brasileira irá crescer menos que 5% em 2017 e que a estimativa oficial do governo para o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano deve ser revisada para baixo nas próximas semanas. A piora nas expectativas acontece em meio a incertezas em torno da crise política envolvendo o governo de Michel Temer.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, fala com jornalistas em São Paulo (Foto: Darlan Alvarenga/G1)O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, fala com jornalistas em São Paulo (Foto: Darlan Alvarenga/G1)

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, fala com jornalistas em São Paulo (Foto: Darlan Alvarenga/G1)

“Será um pouco menor do que 0,5%, mas certamente será positivo”, disse o ministro. “Estamos avaliando o efeito de tudo isso [crise política] para chegarmos numa conclusão. Mas é importante dizer que existe um certo ajuste, mas não é um ajuste onde haja um impacto relevante”, acrescentou.

A previsão anterior era de que a economia cresceria 0,5% neste ano. Essa projeção já era uma redução, visto que a estimativa anterior era de 1%.

Segundo o ministro, o impacto das incertezas da crise política na formação das expectativas também fará o governo revisar a projeção de ritmo de crescimento da economia no final do ano. Antes, a previsão de crescimento do PIB no 4º trimestre na comparação com o ano passado era de 2,7%. Nesta quarta, o ministro disse que agora prevê um alta “na margem acima de 2%”.

As declarações foram feitas pelo ministro em São Paulo em entrevista coletiva realizada nesta tarde, após encontro com investidores promovido pelo Citibank.

Na última pesquisa Focus do Banco Central, que ouve semanalmente uma centena de economistas, a previsão para alta do PIB em 2017 oscilou de 0,4% para 0,39%. Para 2018, os economistas das instituições financeiras baixaram sua estimativa de expansão da economia de 2,20% para 2,10%.

Apesar do impacto da crise política, Meirelles avaliou que a recuperação da economia “está muito forte”, destacando a inflação em queda e a volta da criação de vagas de trabalho formal.

Questionado se algum momento pensou em deixar o governo em razão do agravamento da crise política, Meirelles disse que não, e que a agenda da equipe econômica prossegue normalmente, com total liberdade de trabalho.

“Estamos prosseguindo normalmente o nosso trabalho, a economia está indo bem. O resultado do ponto de vista da atividade econômica está mostrando os resultados. É isso o que importa”, destacou.

Brasil vai crescer menos do que o 0,5% previsto pelo governo, diz Meirelles

Brasil vai crescer menos do que o 0,5% previsto pelo governo, diz Meirelles

Meirelles voltou a dizer que, se necessário, o governo aumentará impostos para garantir o cumprimento da meta fiscal. Segundo ele, o governo ainda conta com receitas extraordinárias com leilões de hidrelétricas e do setor de óleo e gás e com a aprovação no Congresso projeto de regularização tributária (Refis).

Ele destacou que ainda não existe nenhuma decisão tomada sobre o assunto, mas sinalizou que a baixa arrecadação federal poderá exigir medidas adicionais. “Repito agora de forma ainda mais pertinente: de fato, a queda da arrecadação é um fator importante”, disse.

“Se for necessário aumentar impostos, vamos fazê-lo. O importante é que vamos assegurar o equilíbrio fiscal”.

Questionado por jornalistas se o governo estuda aumentar as Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), Meirelles disse que ainda não há decisão tomada.

Na semana passada, Meirelles já havia dito que existe a possibilidade de aumentar impostos, se o governo julgar necessário.

Questionado sobre o impacto da crise política na reforma da Previdência, Meirelles admitiu que o andamento do projeto no Congresso fica prejudicado, mas procurou minimizar a demora “de alguns meses”.

“É bom que se faça logo… Mas se olharmos uma diferença de alguns meses, não é isso que vai determinar a trajetória fiscal de longo prazo do país. No entanto, é muito importante uma aprovação o mais rápido possível por causa dar formação de expectativas da economia… não é uma coisa que se pode se esperar por um período indeterminado”, completou.

Última previsão oficial do governo projetava alta de 0,5% em 2017 (Foto: )Última previsão oficial do governo projetava alta de 0,5% em 2017 (Foto: )

Última previsão oficial do governo projetava alta de 0,5% em 2017 (Foto: )

Source

Related posts

Leave a Comment