You are here

Peixe sem face é encontrado nas profundezas abissais da Austrália

01 / jun

Publicado por Renato Mota em
CIÊNCIA
às 12:07

Um peixe sem face e outras criaturas estranhas e maravilhosas, entre elas muitas espécies novas, foram capturadas nas águas profundas da Austrália durante uma viagem científica que estudou partes do oceano nunca antes exploradas.

A viagem de um mês ao longo da costa leste do país examinou a vida em um abismo escuro e frio quatro quilômetros abaixo da superfície do mar, usando redes, sonares e câmeras de profundidade.

O cientista líder a bordo, Tim O’Hara, dos Museus Victoria, disse à AFP que a área de busca era “o ambiente mais inexplorado na Terra”.

Exemplares incomuns como caranguejos espinhosos e aranhas-do-mar cegas foram recolhidos desde que os cientistas começaram sua viagem – de Launceston, na Tasmânia, para o norte, em direção ao Mar de Coral -, em 15 de maio.

Eles também encontraram um peixe sem rosto, que só havia sido registrado uma vez anteriormente, em 1873, pela equipe científica pioneira da expedição HMS Challenger, em Papua Nova Guiné. “Não tem olhos nem um nariz visível, e a boca está embaixo”, disse O’Hara a partir do navio.

Em tais profundidades, é tão escuro que as criaturas muitas vezes não têm olhos ou produzem sua própria luz através da bioluminescência, acrescentou.

Outro achado foram esponjas carnívoras que usam espículas letais feitas de silício. Elas obtêm pequenos crustáceos que ficam enganchados em suas espinhas, para serem lentamente digeridos in situ.

Dragonfish. AFP PHOTO / MUSEUMS VICTORIA / Rob ZUGARO

Esta técnica difere da utilizada pela maioria das esponjas que vivem em profundidade, que se alimentam de bactérias e outros organismos unicelulares filtrados de correntes passantes.

“Nós temos 27 cientistas a bordo que são líderes em seus campos e eles me dizem que cerca de um terço do que encontramos são novas espécies”, disse O’Hara. Milhares de espécimes foram recuperados até agora, a duas semanas do fim da viagem.

Leia mais
Microplásticos de roupas e pneus poluem oceanos e afetam a saúde
Peixe abissal “Diabo Negro do Mar” foi visto por cientistas pela primeira vez

Em tais profundidades, com pressões esmagadoras, sem luz, pouca comida e temperaturas muito baixas, os animais desenvolvem maneiras únicas de sobreviver.

Como a comida é escassa, eles geralmente são pequenos e se movem devagar. Muitos são gelatinosos e passam suas vidas flutuando, enquanto outros têm espinhas e presas ferozes e esperam até que a comida chegue até eles.

Abraliopsis. AFP PHOTO / MUSEUMS VICTORIA / Jerome MELLEFET

Os dados recolhidos ajudam a melhorar a compreensão dos habitats do fundo oceânico da Austrália, sua biodiversidade e os processos ecológicos que os sustentam, disse O’Hara.

“Isso ajudará na sua conservação e manejo e ajudará a protegê-los contra os impactos das mudanças climáticas, poluição e outras atividades humanas”, completou.

© Agence France-Presse


Source

Related posts

Leave a Comment