You are here

Pedreiro é morto após chutar e subir em viatura policial no interior do AM | Amazonas

Um pedreiro de 29 anos morreu após ser agredido na madrugada deste domingo (18), no município de Manacapuru, a 103 km de Manaus. Segundo informações de testemunhas, uma equipe de polícia teria agredido a vítima após ele subir no capô da viatura e chutar o veículo. Em nota, a PM afirma que homem foi agredido por populares.

O caso aconteceu por volta das 2h, no estacionamento da rodoviária do município. Testemunhas informaram que um grupo de pessoas estava em uma festa no local com uma carreta de som, quando uma equipe da polícia chegou no local.

Populares informaram que o pedreiro se lançou para cima do capô da viatura e foi agredido por um grupo de policiais até ficar inconsciente. Ele chegou a ser levado para o Hospital Lázaro Reis, no município, mas não resistiu aos ferimentos.

Em nota, a polícia não confirma a versão dos populares. O 9º Batalhão de Polícia Militar de Manacapuru afirmou que, durante patrulhamento de rotina, percebeu uma movimentação do Terminal Rodoviário, foi realizar a abordagem e pediu para que o grupo se retirasse do local.

Na ocasião, o pedreiro começou a chutar a viatura e bater no capô do veículo. “Neste momento formou-se uma briga generalizada vindo os populares a espancar e dizer para ao cidadão palavras de ordem ‘respeita a polícia’. A equipe saiu da viatura para tentar desfazer o tumulto, aí perceberam que o homem estava agonizando no chão”, afirmou a nota da PM.

O 9º BPM afirmou que prestou socorro imediato ao pedreiro e o encaminhou até o hospital, onde ele morreu. O Batlhão de Manacapuru informou ainda que refuta todas as informações “desencontradas e caluniosas” de que o homem foi agredido com uso de bastão policial.

“Informamos que todos os dados desta ocorrência encontram-se registrado na DP e neste batalhão. Lamentamos o fato ocorrido e reafirmamos que o fato segue para a investigação na Polícia Civil de Manacapuru até que se esclareça tudo e alcance os culpados por este homicídio”, diz trecho da nota.

Source

Related posts