You are here

Lucro da ArcelorMittal mais do que dobra no quarto trimestre

SÃO PAULO  –  A siderúrgica europeia ArcelorMittal informou nesta quarta-feira (31) que obteve no quarto trimestre de 2017 um lucro líquido de US$ 1,039 bilhão, um aumento de 2,6 vezes em relação aos US$ 403 milhões registrados no mesmo período de 2016.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) subiu 29%, para US$ 2,141 bilhões.

A receita com vendas nos últimos três meses do ano passado cresceu 25% na comparação anual, de US$ 14,126 bilhões para US$ 17,710 bilhões.

O lucro da companhia veio acima do esperado pelo mercado. Segundo levantamento feito com analistas pela consultoria FactSet, a expectativa era de lucro líquido de US$ 715 milhões. Já a receita ficou um pouco abaixo, uma vez que a expectativa era de US$ 17,94 bilhões. Para o Ebitda, a expectativa era de US$ 2,08 bilhões.

A receita foi beneficiada pelo crescimento de 4% na produção de aço, para 22,7 milhões de toneladas, e pelos embarques, que avançaram 5%, para 21 milhões de toneladas. Também ajudaram o crescimento no preço médio de venda de aço (20,4%) e o preço de mercado do embarque de minério de ferro (3,8%).

No Brasil, a receita cresceu 29%, para US$ 2,52 bilhões, com o lucro operacional totalizando US$ 266 milhões, alta de 86%. A produção de aço cresceu 7%, para 2,989 milhões de toneladas, com os embarques avançando 7,4%, a 3,052 milhões de toneladas.

No acumulado de 2017, a ArcelorMittal obteve um lucro líquido de US$ 4,568 bilhões, alta de 2,5 vezes, e uma receita de US$ 68,679 bilhões, avanço de 21%. O Ebitda cresceu 34,4%, para US$ 8,408 bilhões.

“A combinação da melhora dos fundamentos do mercado e a entrega de nossos objetivos estratégicos contribuíram para que a empresa tivesse um ano bem-sucedido”, afirmou, em nota, o diretor-presidente da companhia, Lakshmi Mittal.

Segundo ele, a empresa continuará com o seu processo de desalavancagem neste ano, mas “investirá de forma seletiva em oportunidades que fortalecerão as fundações para a criação sustentável de valor”.

No ano passado, a dívida líquida recuou 9%, para US$ 10,1 bilhões, levando a relação entre ela e o Ebitda a 1,2 vezes, enquanto em 2016 esteve em 1,6 vezes. Os analistas ouvidos pela FactSet aguardavam que a dívida totalizasse US$ 9,9 bilhões.

Source

Related posts