You are here

IGP-M em 12 meses deve ter deflao at setembro, espera FGV – Economia

So Paulo, 29 – A deflao em 12 meses do ndice Geral de Preos – Mercado (IGP-M), alcanada pela primeira vez em junho aps mais de sete anos, deve se manter at ao menos setembro, segundo o superintendente adjunto para Inflao do IBRE/FGV, Salomo Quadros. Depois disso, ele avalia que as taxas mensais deste ano vo se sobrepor s de 2016 e, por isso, o IGP-M deve fechar o ano em alta, mas bem prxima de zero.

O indicador caiu 0,67% em junho, aps recuar 0,93% em maio, e acumulou queda em 12 meses de 0,78%, taxa mais baixa desde dezembro de 2009 (-1,72%). No acumulado em 12 meses, o IGP-M no ficava negativo desde janeiro de 2010 (-0,67%).

“Acumular deflao em 12 meses uma raridade. O principal motivo para o recuo atual do indicador em 12 meses a safra agrcola recorde, que expandiu muito a oferta de alimentos, mas h claro tambm um efeito da recesso”, explica Quadros.

Ele esperava uma taxa mensal mais alta para o indicador em junho, sinalizando uma sada mais rpida da deflao, que j se repete h 3 meses. Mas, segundo ele, os problemas envolvendo a carne brasileira provocaram excesso de oferta, o que provocou a queda dos preos no atacado. Em maio, o boi gordo teve alta 0,33% e caiu 3,01% no IGP-M de junho.

Outro fator que ajudou a manter o IGP-M no terreno negativo neste ms foi o alvio no preo da soja, que est voltil neste perodo que antecede o incio da colheita nos Estados Unidos.

Para julho, Quadros ainda espera uma taxa negativa mensal do IGP-M, mas diz que deve ser mais residual, especialmente pela influncia da acelerao de preos do minrio de ferro (-18,20% para -11,19%) que deve sair da deflao no curto prazo. “Precisaria ter muita acelerao de preos no IPA no ms que vem para o IGP-M deixar a deflao”, diz, lembrando que os preos da carne devem seguir baixos como repercusso de problemas recentes, como a suspenso da importao dos Estados Unidos.

O especialista tambm no demonstra grande preocupao com os preos do feijo. No atacado, o produto teve elevao de 42,13% em junho na comparao com 3,87% em maio, enquanto no varejo o feijo carioca j sobe 22,37%, de deflao de 3,90% no ms anterior.

Segundo ele, essa alta de preos mais uma precauo diante do receio do mercado com a interferncia de problemas climticos na safrinha. “Mas no h nenhuma confirmao ainda de perda de produo. Isso mais um fator de proteo, mas acho que, em breve, o feijo deve devolver parte desse aumento”, explica.

No IPC-M, que teve a primeira queda (-0,08%) desde julho de 2013 (-0,03%), Quadros no espera nova deflao no stimo ms de 2017, uma vez que a retrao em junho foi fortemente influenciada pelo incio da bandeira verde nas contas de luz. Mas o especialista avalia que os preos no varejo devem seguir baixos, principalmente pela expectativa de continuidade do recuo dos alimentos.

Aluguis

Usado como base para o reajuste de aluguis, a queda do IGP-M em 12 meses em junho, em tese, deveria baixar os valores pagos pelos locatrios, mas Quadros afasta essa possibilidade. “Por uma questo de bom senso, os preos no devem cair, j que eles no sobem tanto tambm quando o IGP-M est com o acumulado alto. Alm disso, o IGP-M s est quantificando numericamente a fraqueza j observada no mercado de aluguis devido crise econmica.”

(Thas Barcellos)

Source

Related posts

Leave a Comment