You are here

Gestores do BNDES e do frigorfico Independncia respondero a processo do TCU – Economia

Braslia, 06 – O Tribunal de Contas da Unio (TCU) concluiu que houve fraude e prejuzo de R$ 418 milhes (a preos corrigidos) num investimento feito pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico e Social (BNDES) no frigorfico Independncia, em 2008. Conforme deciso aprovada na quarta-feira, 5, gestores do banco e os administradores da empresa – que pediu recuperao judicial aps a operao e teve ativos comprados pela JBS em 2013 – vo responder a processo que visa ao ressarcimento das perdas.

Auditoria do TCU, antecipada na tera-feira, 4, pelo jornal

O Estado de S. Paulo

, sustenta que o frigorfico apresentou informaes “enganosas” ao banco, com vistas a maquiar sua situao falimentar na poca do negcio. Diz tambm que os ento diretores e gerentes do BNDES foram negligentes ao aprov-lo, porque tinham condies de detectar a “iminente possibilidade de insolvncia” da empresa.

O Independncia entregou ao BNDES uma proposta de apoio financeiro em julho de 2008, com vistas a aumentar seu capital de giro. Em novembro do mesmo ano, foi aprovado um investimento de R$ 450 milhes, a ser feito em duas etapas. Dias depois, o BNDESPar – brao do banco para a aquisio de participaes em empresas – fez o primeiro desembolso, de R$ 250 milhes, para subscrever aes do frigorfico – valor que, atualizado e acrescido de juros, alcana R$ 418 milhes. Trs meses depois, em fevereiro de 2009, a empresa pediu recuperao judicial.

O TCU alega que o frigorfico entregou ao banco demonstrativos que no refletiam sua situao econmico-financeira, com o objetivo de conseguir o apoio.

O BNDES no comentou a deciso. Em longo memorando apresentado ao TCU, o BNDESPar sustentou que o prejuzo foi ocasionado por “fraude contbil” e que “no houve negligncia na anlise da operao” por parte de seus funcionrios.

Alm dos ento administradores do Independncia, Miguel Graziano Russo e Roberto Graziano Russo, so apontados como responsveis dez gestores do BNDES que avaliaram ou aprovaram a operao supostamente prejudicial ao banco.

Os autos sero encaminhados ao relator do processo, ministro Weder de Oliveira, a quem cabe autorizar a citao dos implicados, a fim de que apresentem defesa. Se condenados, ao fim do processo, eles sero cobrados a pagar o suposto rombo causado pelo negcio.

(Fbio Fabrini)

Source

Related posts

Leave a Comment