You are here

Da defesa ao ataque: veja onde o Palmeiras precisa melhorar para embalar em 2017 | futebol / times / palmeiras

Nem mesmo as classificações na Libertadores e na Copa do Brasil pouparam o time das críticas. No domingo, contra o Atlético-MG, é a primeira oportunidade para reconquistar a torcida

Com o calendário apertado por causa de jogos da Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão, um período livre na semana para Cuca trabalhar taticamente o Palmeiras tem sido algo bem raro. Do duelo contra o Vasco para cá – o primeiro do treinador no comando da equipe –, o Verdão entrou em campo seis vezes em 18 dias.

Mas, mesmo com pouco tempo para os treinos na Academia de Futebol, Cuca sabe, e já deixou bem claro em entrevistas, que ainda precisa fazer o atual campeão brasileiro render mais dentro de campo. E não são poucos os pontos que o treinador precisa modificar para subir o nível de desempenho da equipe.

Cuca orienta a equipe durante o treino (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras)Cuca orienta a equipe durante o treino (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras)

Cuca orienta a equipe durante o treino (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras)

Veja o que o Palmeiras ainda precisar na temporada:

Criação
Com duas formações distintas, uma para jogos em casa (mais técnica e ofensiva) e outra para partidas como visitante (com um homem mais fixo na marcação), o Verdão construiu bem sua campanha que levou ao título brasileiro no ano passado. Se para muitos o Verdão saiu ganhando ao liberar Cleiton Xavier e contratar Alejandro Guerra, na prática a realidade tem sido outra. O venezuelano está sobrecarregado e não possui um concorrente à altura. Raphael Veiga e Hyoran, outros reforços para a temporada, são apostas para o futuro e estão bem abaixo na disputa.

Sem Guerra, que tem sido importante quando reúne as melhores condições físicas para jogar, o time perde muito em qualidade a criação. A opção por Dudu no setor, que funcionou bem no ano passado, ainda não encaixou nesta temporada. A melhora de produção ofensiva passa diretamente pela criatividade do meio de campo.

Pode de decisão
A irregularidade do sistema ofensivo passa pela evolução de Miguel Borja. Contratado para ser o homem-gol do Palmeiras em 2017, ele é o único com características de centroavante no atual elenco, motivo pelo qual faz o clube também procurar opções no mercado. Willian lidera a artilharia do Verdão na temporada com nove gols, mas rende mais quando atua pelos lados. Contra Chapecoense, São Paulo e Internacional, o ataque palmeirense foi quase nulo. O técnico também quer mais velocidade e dribles para aumentar as oportunidades de marcar.

Guerra em treino na Academia de Futebol (Foto: César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação)Guerra em treino na Academia de Futebol (Foto: César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação)

Guerra em treino na Academia de Futebol (Foto: César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação)

Versatilidade
Cuca sempre gostou de atletas que possam exercer mais de uma função. Isso facilita em uma necessidade eventual ou uma alteração tática durante a partida. Contra o Vasco, por exemplo, o Verdão recuperou o domínio com uma simples inversão: Tchê Tchê foi para a lateral, e Jean ocupou o meio de campo. A dupla, aliás, é muito importante para o desenvolvimento tático da equipe, mas caiu de produção recentemente.

Velocidade na cobertura
O Palmeiras até pode ser mais técnico em comparação ao do ano passado, mas, defensivamente, a velocidade na cobertura dos volantes e dos laterais tem deixado a desejar. O lado esquerdo da defesa virou um problema para Cuca nas últimas partidas – Chapecoense, São Paulo e Internacional marcaram por ali. O gol de D’Alessandro ocorreu depois de Jean perder a bola no meio de campo, desencadeando uma sucessão de erros em tentativas de desarme e de posicionamento. Além da participação dos volantes, o time pode render mais defensivamente com a participação dos alas.

Pressão sobre o adversário e compactação
Nas principais vitórias do Palmeiras nos últimos anos, uma característica esteve muito presente: a marcação sob pressão. O legado de Cuca de manter o time em constante movimentação e diminuindo espaços para o adversário foi também bem aproveitado por Eduardo Baptista. O maior exemplo é a vitória por 3 a 0 sobre o São Paulo, no Paulistão. Seja no 4-2-3-1, no 4-1-4-1, no 4-3-3 ou no 4-4-2, a compactação da equipe entre os setores pode fazer o time voltar a render em conjunto, o que dá mais abertura ao destaque individual.

Resgatar a confiança da torcida
A torcida palmeirense é conhecida por ser uma das mais fanáticas e impacientes. Não à toa, o termo “corneteiro” começou no próprio clube nos anos 30. O rendimento da equipe até o momento na temporada ainda levanta suspeitas entre os alviverdes. É inegável a força do Verdão dentro de casa com o apoio da torcida. E isso reflete diretamente dentro de campo. Uma vitória importante e convincente pode fazer o time embalar na temporada.

Veja as informações do Palmeiras para a partida contra o Atlético-MG:

Local: Arena Palmeiras, em São Paulo
Data e horário: domingo, às 16h (de Brasília)
Escalação provável: Fernando Prass; Jean, Yerry Mina, Edu Dracena e Zé Roberto; Felipe Melo (Thiago Santos) e Tchê Tchê; Róger Guedes (Willian), Guerra (Raphael Veiga ou Hyoran) e Keno; Willian (Borja)
Desfalques: Dudu, Arouca, Moisés e Thiago Martins (todos no departamento médico)
Arbitragem: Marcelo de Lima Henrique, auxiliado por Dibert Pedrosa Moisés e Michael Correia (todos do RJ)
Transmissão: TV Globo para MG e Campinas (com Jaime Júnior, Bob Faria e Márcio Rezende Freitas) e Premiere e Premiere HD (com Jota Jr, Wagner Vilaron e William Machado)
Tempo Real: GloboEsporte.com, a partir de 15h

Source

Related posts

Leave a Comment