You are here

Da ascensão à indisciplina: Wendel leva bronca de Abel e vira problema no Flu | fluminense

São apenas dez meses de futebol profissional. Uma ascensão meteórica que fez de Wendel um dos principais jogadores do Fluminense em 2017. Mas na última quinta-feira, aquele que costumava ser a solução virou um problema. O volante ficou fora do Fla-Flu por indisciplina e recebeu um aviso do técnico Abel Braga: ou volta a se dedicar e se enquadra ou está fora dos planos do clube.

Com 45 jogos e seis gols em 2017, o volante passou de xodó da torcida a incógnita. Até Abel, conhecido por sempre defender seus jogadores, perdeu a paciência e abriu o jogo. Na manhã da última quinta, Wendel treinou com os não relacionados no CT. Segundo as informações recebidas pelo treinador, o volante foi quem mais se dedicou. Um retorno no próximo domingo, contra o Avaí, não está descartado. Ainda mais com a suspensão de Douglas. Mas para reconquistar Abelão, será preciso mais. Entenda o problema abaixo:

Wendel comemora um de seus seis gols em 2017: ascensão meteórica e problemas de comportamento (Foto: Lucas Merçon / FluminenseFC)Wendel comemora um de seus seis gols em 2017: ascensão meteórica e problemas de comportamento (Foto: Lucas Merçon / FluminenseFC)

Wendel comemora um de seus seis gols em 2017: ascensão meteórica e problemas de comportamento (Foto: Lucas Merçon / FluminenseFC)

Wendel era desconhecido de grande parte da torcida tricolor até janeiro, quando começou a treinar entre os profissionais após a disputa da Copa São Paulo de Futebol Júnior. A ascensão foi meteórica. Fez sua primeira partida como titular em fevereiro e na reta final do Carioca já era um dos destaques da equipe. Em maio, renovou seu contrato até 2020. Em cinco meses, seu salário pulou de R$ 4 mil para R$ 70 mil. Uma mudança radical de vida.

Por mais que more na Barra desde que subiu para os profissionais, Wendel é figurinha carimbada em Duque de Caxias, onde nasceu e cresceu. As postagens na Baixada Fluminense são rotina em seu Instagram. Assim como às vezes surgem no WhatsApp vídeos do jogador aproveitando a noite local. No clube, há quem diga que ele está curtindo como nunca a fama na cidade. Em entrevista recente ao GloboEsporte.com, Abel comentou o assunto.

– Ele não deixou de morar aqui perto do CT. Mas ele tem ido constantemente a Duque de Caxias. Hoje futebol exige repouso, concentração, foco. Se ele está indo para fora, tem de se policiar aqui quanto ao profissionalismo – disse o treinador no fim de setembro.

Abel conversa com Wendel em julho: paciência acabou e treinador criticou a conduta extracampo do volante (Foto: Mailson Santana / FluminenseFC)Abel conversa com Wendel em julho: paciência acabou e treinador criticou a conduta extracampo do volante (Foto: Mailson Santana / FluminenseFC)

Abel conversa com Wendel em julho: paciência acabou e treinador criticou a conduta extracampo do volante (Foto: Mailson Santana / FluminenseFC)

O afastamento do Fla-Flu se deu após alguns atrasos. No Fluminense, a norma para os jogadores é chegar 30 minutos antes do horário marcado para o treino. É o tempo necessário para se arrumar e estar pronto na hora determinada. Quando a atividade acontece às 10h30, os atletas precisam estar no CT até 10h. Wendel vinha chegando sempre em cima da hora, faltando poucos minutos para o trabalho começar.

A informação de que Wendel estava fora do clássico até demorou a vazar. Foi divulgada pelo GloboEsporte.com às 12h04 de quinta-feira. Mas há uma semana ele já vinha treinando entre os reservas no CT do Fluminense. Não foi algo de última hora. E também não é por prazo indeterminado. Abel cogita escalar o volante entre os titulares contra o Avaí, no próximo domingo, no Maracanã. Douglas está suspenso.

Abel apostou um jantar com dois membros de sua comissão técnica na última quinta. E comeu de graça após o Fla-Flu. O treinador disse que Wendel seria o único jogador dentre os não relacionados a não ir ao Maracanã. Dito e feito. Tirando os que se recuperam de cirurgia, o que é natural, todos os outros estiveram no vestiário. Casos, por exemplo, de Henrique, Renato Chaves, Pierre, Frazan, Matheus Phillipe, Léo, Marquinho… Até Matheus Pato esteve no estádio. Só faltou Wendel.

Depois do destaque no primeiro semestre, a queda de rendimento de Wendel se acentou nos últimos meses. E concidiu com o interesse do Paris Saint-Germain. No fim de agosto, surgiu a notícia da negociação com o clube frânces. O presidente Pedro Abad chegou a ir até Paris e deixou tudo bem encaminhado. O fechamento da janela europeia, no entanto, fez o PSG priorizar outras contratações.

O negócio segue evoluindo e os departamentos financeiros continuam em contato. O contrato ainda não foi assinado por divergências na maneira pela qual o Flu pretende antecipar o valor da transferência. O acordo inicial previa a venda por 10 milhões de euros (cerca de R$ 37 milhões) e a ida do volante para a França apenas em janeiro.

Passada a entrevista do técnico Abel Braga no Maracanã, o gerente de futebol Alexandre Torres falou sobre a situação de Wendel. Segundo Torres, o Flu espera que o volante volte a jogar em alto nível.

– As portas para os jogadores nunca estão fechadas. Jogador tem que se garantir dentro de campo. Não sou que vou falar se o Wendel vai voltar a jogar pelo Flu ou não. Ele está trabalhando e treinando diariamente. Se mostrar nos treinamentos que tem condições de voltar, não vejo motivo para não escalar. É um jogador que já mostrou o que pode fazer. A gente espera que ele dê o máximo e volte àquele nível. Ele ficou fora por opção técnica e tática do Abel. Ele falou que o Wendel não estava cumprindo aquilo que ele gostaria e escolheu outro jogador que ele acreditava viver um melhor momento – frisou o dirigente.

Em seguida, foi a vez de o atacante Henrique Dourado comentar o caso. O camisa 9 disse que o afastamento não foi por falta de aviso e destacou a mudança radical na vida de Wendel.

– Não foi falta de aviso. Sabemos sua qualidade. Foi uma mudança muito radical de vida. Tem que ter um pouco de maturidade.

– Da mesma forma que foi rápido alcançar um patamar alto, a queda é ainda mais rápida. Temos que resgatá-lo. Não sabemos exatamente o que passa na cabeça do menino. Mas o importante é que deixamos claro que queremos estar com quem está comprometido conosco.

– Foi uma decisão do Abel, junto com a comissão técnica. Mas é um grande jogador, que precisa ter um pouco de tranquilidade. A carreira dele está só no início – disse o Ceifador.

 (Foto: GloboEsporte.com) (Foto: GloboEsporte.com)

Source

Related posts

Leave a Comment