You are here

Briga entre jogadores, corte no rosto de 4º árbitro e ofensas ao juiz: a confusão na Arena Condá

O árbitro Péricles Bassols mal apitou o final do jogo entre Chapecoense e Cruzeiro, na Arena Condá, em Chapecó, e uma confusão tomou conta do estádio, que viu o empate sem gols eliminar a equipe da casa nas oitavas de final da Copa do Brasil. Inicialmente, os jogadores do time alviverde correram em direção ao juiz para protestar.

A irritação era com os dois gols anulados, sendo o segundo quase aos 49 minutos do segundo tempo, mas também pelo próprio comportamento de Bassols. Ao menos foi a declaração do atacante Rossi para a SporTV.

“Bassols tá de sacanagem. Parece que engoliu um microfone, não para de falar. Nem jogo de várzea apita, senão apanha”, disse o atacante da Chapecoense.

Praticamente ao mesmo tempo, teve início uma segunda confusão. Essa entre alguns jogadores da Chapecoense e outros do Cruzeiro. Tamanha foi a confusão e o número de envolvidos que ficou difícil identificar quem eram os alvos e o motivo da briga.

Imagens de TV mostraram o lateral Diogo Barbosa atirando um copo d’água em direção à comissão técnica da Chapecoense, quando as duas equipes já estavam nos vestiários do estádio. Naquele momento, a confusão ainda não tinha se dissipado.

O técnico Vagner Mancini, que estava tentando separar os jogadores, acabou atigido, reclamou em entrevista para o SporTV, e chutou parte da porta do vestiário, irritado.

A torcida também manifestou-se duramente contra o quarteto de arbitragem. Um torcedor mais exaltado chegou a atirar um objeto no gramado e acertou o rosto de Evandro Tiago Bender, que foi o quarto árbitro do confronto na Arena Condá.

Mais tarde, foi a vez do vice-presidente do Cruzeiro, Bruno Vicintim minimizar o problema.

“Eu conversei com o presidente deles. Chapecoense e Cruzeiro são clubes irmãos, o Douglas Grolli foi o primeiro atleta emprestado, nós arcamos com parte dos salários. Aconteceu um fato lamentável, uma conversa de um atleta e uma pessoa da comissão técnica, eles estavam se queixando dos sete minutos e as pessoas da Chape ouviram. Foi um mal entendido grande. Nossos atletas ficaram acuados, e o importante é que nada aconteceu, está tudo superado, feliz com a classificação”, destacou.

Bruno reclamou ainda que os jogadores do Cruzeiro ficaram acuados na porta do vestiário e garantiu que tudo está resolvido entre as diretorias.

“Era um atleta nosso conversando com o membro da comissão técnica. O presidente achou que era com ele, uma confusão sem maiores consequências. Eu reclamei da porta do vestiário ter sido chutada várias vezes, mas tudo superado. Domingo eles estão no Mineirão e nós vamos recebê-los da melhor forma possível”, finalizou.

Cruzeiro e Chapecoense se encontram novamente no domingo, no Mineirão, em duelo válido pelo Campeonato Brasileiro.

Source

Related posts

Leave a Comment